martes, 5 de febrero de 2013

Febreiro: Amor e desamor na biblioteca

Pero da Ponte, trobador galego do s.XIII, amósanos a súa impotencia ante a forza do Amor

Se eu podesse desamar
a quem me sempre desamou
e podesse algum mal buscar
a quem me sempre mal buscou!
Assí me vingaria eu,
se eu puidesse coita dar
a quem me sempre coita deu.

Mais nin sequera posso eu enganar
meu corazón que me enganou
por quanto me fez desexar
a quem me nunca desexou
E por isto non durmo eu
porque non posso eu coita dar
a quem sempre coita deu… (adaptado)

No hay comentarios:

Publicar un comentario